quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Em dia de Pão&Poema



No inicio da noite de sábado um alerta: Macarrão tem de ir à panela!

Os meninos chegarão famintos.

Num instinto paterno o Poeta cuida de tudo, corta a cebola e os tomates vermelhos, descansa no sal a carne moída, consulta o relógio, atiça o fogo, escolhe os pratos, escorre a massa, apronta o molho e eles chegam. Viola em punho, perna tatuada, cabelos de cachos. Enchem a casa de riso. Misturam-se aos adultos como se fossem eternos, suavizando as coisas duras numa algazarra sem enfado.

Nestes dias de encontro a receita não aceita dicas. Segue solta numa postura amorosa.

Dou-me conta que a filha cresceu e trouxe para seus dias de mocidade o brilho estaloso das noites de lua, cantigas sem regras que alumiarão o asfalto de minha velhice aproximativa.

A noite assobia doce e alta. Colchões, cobertas e travesseiros improvisados adotam a sala e os três meninos se esparramam pelo chão feito batatinhas sonolentas.

Nasce o domingo e eles prosseguem burilando temas que merecem aplauso.

Pedro estica o fio das conversas de quintal e descreve com pompas o tempo que modelava para sua mãe costureira acertar os alinhavos de roupa nova, encomendada pela vizinha para a filha do meio. Aperreio infante. Dado a gargalhada ele conta-nos que insistia para que a mãe contratasse outro provador de roupas e nunca obteve êxito.

Remexe as lembranças e pausadamente fala do bausinho que ganhou de presente da avó e o irmão quebrou a tranca. Suportou a dor daquela ação danosa e só depois se vingou choroso estragando o videogame do caçula. Explica com detalhes o pano parecido com veludo que aplicou na parte interna do baú sem tranca só para este ficar mais risonho e até hoje guarda dentro dele seus tesouros bem encomendados.

Conhecendo o tempo e sua escassez de diálogos, incentivo-os a continuar.

Empenho-me na promoção de afeto que aos poucos ganha forma colorida e se multiplica.

O Stefan imita o Pedro e também abre sua caixa de história.

Revive fases de amor materno e consola-se pelas roupas de babado e franja que sua irmã lhe emprestava. Encantado com o feito, erguia os bracinhos e bailava com a contenteza de menino que tinha menos de cinco anos de idade e adorava experimentar roupas compatíveis ao gênero oposto.

Todos riem sem economia e eu lavro a percepção do quanto é importante esta unicidade.

Sinto vontade de abraça-los, impedindo-os de ir-se tão já.

Sinto vontade de pedir ternamente: Continuem assim viu? Alvejando o tempo sem negar alegria neste aprendizado necessário. Precisamos prosseguir meninos com a rareza dessa poesia humana, saltitante, encantosa e cheia de laços, franjas e bordados. É nela onde está o ouro que precisamos lapidar.


Com mais ternura


Zenilda Lua

Outono de 2010

3 comentários:

Wilson R. disse...

.

Uma crônica de singeleza só comparável a da própria autora. Inteligente na intertextualização suave de "batatinhas se esparram sonolentas" e de sinceridade palpável ao descrever o poeta na cozinha.
Lindo seu texto, menina.

Abraços.

.

mural do ajosan disse...

É, Zenilda, eu sempre digo aqui: criança nunca deveria crescer! Muito gostoso de ler o seu texto; obrigado pelas dicas quanto a montar foto-poema; vou "quebrar a cabeça" aqui rsrrs; abraços e sucesso.

SONYA MELLO disse...

Zenilda, passeando pela "casa" da Sônia Gabriel, encontrei o endereço de "sua casa" e resolvi dar uma passadinha por aqui. Adorei seu texto, a forma como desfilas as letras e palavras... Parabéns!! Grande talento, você! Sorte dos seus amigos!