sábado, 5 de setembro de 2009

Quebrando paradigmas


Sinceridade é a busca do absoluto e a semana que passou chegou com soltura, “simprinha” cheirando churrasco de peixe no parque Santos Dumont bem de tardezinha. Família Sesquiana em deleite sob os olhos vigiosos de um moço canceriano lindamente iluminado...Vai vendo!
Sessão de fotos Univap.
Primeira reunião com a moçada do Projeto “Flores em Flor”.
Honradíssima pelo convite para participar, ganhei até um ar de “floricultora”.
Tô dizendo que também escolhi o caminho menos longo para a felicidade? Conheci a Rossana Masiero.
Pois bem, o artigo sobre Co-dependência anda longe de ser publicado.
Enquanto isso vou aparando as arestas. Embasando-me no teórico-prático. Norteando-me por Faleiros sem corromper sua legitimidade.
Continuo hospedeira de várias paisagens e poemas encomendados, estrelas, arabescos, saudades, Manuel Bandeira (cortesia que os normais descompreendem) mas deixe estar.
Bom mesmo foi ter recebido uma quinta-feira noticiosa. Rosângela Ribeiro telefona-me e do meio do caminho todos os sinais viraram propostas! Meu anjo mande uma resposta!
Falta tanto tempo. Falta tanta prosa.
Contudo os outros poemas serão “BEM DITOS” por Beá, Wallace e Clara. Tem que ouvir, tem que tocar na maciez da oferta como se fosse o suor do jasmineiro.
Já podemos passear de carro. Documentos licenciados e minha irmã vindo de SAMPA para uma visita-feriado. Tô puxando corrente de animosidade.
Podem denunciar-me, mas antes macerem essa pedreira que deu de bater panela dentro do meu peito claro...
Josie, há tanta saudade!
Paradigma quebrado e tudo que mais quero é ter amigos me querendo bem e o Poeta me querendo sempre... Amém!
Zenilda Lua

4 comentários:

Marcos disse...

Ah, Zenilda, que lentes lindas você inventa pra olhar o cotidiano!
Como as coisas são mais lindas, quando você as conta!
E que melodia a sua prosa! Os sentidos todos se fundem quando leio o que você derrama...
Some um amém deste seu amigo nesse seu pedido!

priscilaluzdias disse...

Z
Saudadi de tu Frô de jamberê
A rigides do sistema
me obriga a desejar tua voz de
poema no meio do café,
na saída do turno
"Dificil ser funcionária nessa
segunda feira"
Lembra?
Lembra?

Adoro-ti pra semprinho Bixa!

Zenilda Lua disse...

Marcos,
essa melodia vem de vocês
que me induzem à amorosidade sem finitude ou aço.
Sou tua fã e também adoro ler-te!

E para minha doce Priscila:

Valido essa saudade tua
porque também é minha e tem o vigor daquelas tardes cheirosas de café, risada e prosa que nunca mais aconteceu.

Rosalinda disse...

Ochente
acabou-se o asunto foi
Porque será que calou-se a poeta?

Beijinho