sábado, 28 de março de 2009

Sobre aferições e taquicardia


11 comentários:

Lincoln disse...

Bela flor seguida de belo poema.

mateus rosa disse...

"taquicardia" é sempre complicado! (:

Adoro!!

Beijos!

DEBORA PAIVA disse...

sem palavras...

jocafaria disse...

Oi adorei o blog um pouco de poesia neste inicio de domingo para quem não escreve a mais de dez dias, recebeu um elogio de um blog e foi censurado no yotube belos poemas ...

Joca Faria

Deusa Flor disse...

Amiga linda!

c é assim: PURA PRIMAVERA NOS MEUS INVERNOS.
Adorei.
T amo
Sabe disso, né?
Bjuss

Deusa Flor

Cardápio Delicadeza disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Cardápio Delicadeza disse...

Taperoá.
Patos.
Trincheira.
Serra do Tendó.
João Pessoa.
Poesia.
Terezinha.
Boy.
Lua.
Brisa.

Essas palavras me companham, gosto dessa magia.

Amei teu poema falando da Aurora, nome sugestivo esse, me dá até água na boca: me traz uma porçãozinha, pode ser?

beijão

Zenilda Lua disse...

Meuzamô

Recebi da minha poeta preferida (Josie Mello) este recado via orkut. (ainda está lá postadim na minha página):


Josefina
19:48 (18 horas atrás)
"flor minha

no poema mais lindo que li carece um reparo
lambe-me no lugar de lambi-me [senão não concorda, minha musa]

leia e apague, por favor, esse recado chato
te amo
tua Aurora eu"

Mas não vou consertar pois se assim o fizer, extingo todos os comentários e são estes comentários
que deixa tudo muito mais perfumoso.

Amo-os.
Cheiro'Z

P

Zenilda Lua disse...

Tin tin por Tin tin

(SEM ERROS, na VERSÃO PrÓPRIA)

Era quase meio dia, o(segurança da garagem do prédio onde trabalho me procurou com as mãos suadas) pedindo-me um poema.
Estava definitivamente apaixonado por uma entregadeira de pamonha.
Fiquei comovida com aquele olhar de terceira idade “novinho” e prometi
Esforçar-me... e ficou assim:



Quando Aurora resolveu habitar minha vida
com suas manias de fada impulsiva
vali-me de rezas, ungüento,
jejum, medicamento...
venci madrugada
finquei estacas no aceiro do peito
buscando proteção
nada deu jeito,
tudo efêmero, tudo em vão.

Aurora não é daqui
faz pamonha lá em Piracicaba
e lateja em mim o tempo todo
irriga-me a pele,
lambe-me os beiços
esquenta-me a cabeça, o tronco,
abdômen e a região das coxas...
Aurora é uma diaba
flamboyant represada
culpabilidade assumida
da minha freqüência cardíaca
sempre acelerada.

(Zenilda Lua)

Raiano disse...

Gostei bastante do teu blog

priscilaluzdias disse...

Aurora é uma diaba!
Lembro dimais de tudo...
Ai que saudadi grandona!
Beijos
Pri