sábado, 19 de abril de 2008

Status-quo



Teu colibri
trouxe-me o vulto
e o gorjeio
das tardes sem donos

Impulso saudoso
e deusas queixosas
que impressas e virgens,
ainda dormitam
nas lamparinas de lã...

Zenilda Lua

Um comentário:

Puetalóide disse...

O título do poema não seria Status-quo?
Talvez tenha havido um erro de digitação.

Saudações Puetaloideanas.